Fora os dogmas, tabus e verdades absolutas. Quem acha que está certo não teme o debate

Participei no sábado de um bate-papo sobre meu livro Assim é a Velha Política. Foi na Banca da Conceição, na 308 Sul, que tem promovido boas conversas na calçada ao lado. Na verdade pouco falamos do livro em si, mas foram inúmeros os assuntos discutidos e ficou clara a necessidade que as pessoas estão sentindo de debater de verdade, e não com jargões, simplismos e insultos, os temas de nossa atualidade.

A tendência de considerar que alguns assuntos são dogmas, tabus ou verdades absolutas e inquestionáveis inibe o debate. As tentativas de impor pontos de vista e decisões a toda a população a partir de um posicionamento pessoal ou de grupo são autoritárias e devem ser repudiadas. Isso vale para qualquer tema, seja político, ideológico, cultural, religioso ou comportamental.

Um bom exemplo disso é a tentativa do PT de colocar no projeto de lei complementar sobre a previdência um dispositivo proibindo a privatização de empresas públicas. O PT, ou sua bancada na Câmara Legislativa, não discutiram esse tema com os brasilienses e querem impor a vedação por uma manobra legislativa.

Não é questão de ser contra ou a favor da privatização de uma ou mais empresas públicas. É reconhecer a relevância do tema e entender que nem governos ou partidos podem impor a venda de empresas públicas nem partidos e sindicatos podem impedi-la por atos de força, ainda que revestidos de legalidade formal.

Quem se acha com a razão não teme o debate.

 

Leia também

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *