Desempenho dos candidatos em debate explica por que 70% não tem candidato

Estou há dias sem escrever, de novo. O primeiro motivo continua sendo a falta de tempo, mas senti-me desestimulado a escrever sobre o cenário político de Brasília para manter o silêncio obsequioso em relação ao PDT, partido ao qual — conforme informei aqui — me filiei em abril. Nos últimos dias, a única novidade relevante no campo político era o fracasso das negociações que o PDT entabulou durante três meses com Jofran Frejat e sua turma e o lançamento pela executiva do partido, finalmente, de um candidato a governador, o ex-distrital Peniel Pacheco. Há no PDT, porém, a possibilidade de uma aliança nacional com o PSB que leve a seção local a apoiar a reeleição do governador Rodrigo Rollemberg. Mas esse é um tema sobre o qual escreverei mais adiante.

Volto a escrever hoje para falar um pouco do primeiro debate entre os pré-candidatos ao governo de Brasília, promovido pelo Metrópoles com apoio das federações do comércio (Fecomércio) e da indústria (Fibra). Estranhei um pouco estar pela primeira vez no local de um debate na condição de espectador, pois em quatro eleições estava assessorando um candidato (1994, 2002, 2006 e 2014) e nas outras três (1990, 1998 e 2010) assisti aos confrontos pela televisão.

Colocando-me na posição dos cerca de 70% dos eleitores que ainda não optaram por nenhum dos candidatos e pensam em se abster ou anular o voto, o debate não provocou mudança nessa intenção. Nenhum dos candidatos mostrou algo que pudesse mudar essa opinião. Como observador político, porém, preciso considerar algumas atenuantes: foi o primeiro debate da temporada e pela primeira vez cinco dos sete candidatos se viram naquela situação tensa; as falas deles eram a todo momento interrompidas por vaias e aplausos das claques, o que dificulta a concentração e o foco, especialmente de quem não está habituado. E ainda faltaram os candidatos do PT, ainda não lançado, e do PDT — que foi apresentado quando o debate já estava estruturado.

Todos os candidatos mostraram-se despreparados para se apresentar ao eleitor, na forma e no conteúdo. Não prepararam bem nem as perguntas nem as respostas, perderam oportunidades, divagaram. Nenhum se destacou especialmente e isso possibilitou ao governador Rodrigo Rollemberg não se sair mal — sem se sair bem — diante dos ataques de seis oponentes e da plateia por eles levada. O auditório lotado fez com que os sete se dirigissem aos barulhentos presentes e não aos que poderiam estar assistindo em vídeo ou áudio. É claro que em uma transmissão em canal de televisão aberta a postura tem de ser outra.

Pelas falas dos candidatos deu para prever qual será a estratégia de cada um, mas deu para ver também que a maioria precisa rever suas estratégias. Os políticos tradicionais — Rollemberg, Jofran Frejat, Eliana Pedrosa e Izalci Lucas — repetiram chavões de políticos tradicionais, naturalmente, e só se diferenciam porque o primeiro é situação e os demais são oposição. Frejat, desconhecendo que os eleitores não acreditam mais em promessas mirabolantes, anunciou a criação de uma universidade pública, sem informar de onde sairão os recursos para isso. Os que se apresentam como renovadores — Fátima Sousa, Alexandre Guerra e Paulo Chagas — não conseguiram mostrar com clareza o que e como farão diferente, mas pelo menos os três deixaram claro onde se situam no espectro político.

O debate de ontem, grandioso e bem organizado, foi apenas um ensaio, ou um jogo de pré-temporada. Os candidatos que souberem entender onde erraram e corrigirem os erros poderão se sair melhor nos próximos.